Crônicas e Poemas

Sobre o amor que cultivamos.

3 de Abril de 2014

E ele deu aquele sorriso de “como você fica fofa sendo boba” – um dos sinais evidentes sobre o amor e suas formas puras e suaves de ser.

Não tenho uma história de amor que desperte inveja, e sou grata por isso. Parafraseando Arnaut, eu o tenho e ele, necessariamente, me tem – o importante no amor, pois é a reciprocidade que mantém o sentimento equilibrado ao longo do tempo.

Não programamos a história, tampouco nos pegamos desesperados para manifestar o que sentimos, como se o amor pudesse ser vendido, medido, estipulado ou planejado. Não fizemos (e nem fazemos planos), acreditamos na espontaneidade, e nas surpresas encontramos as verdadeiras reações que o amor proporciona. Esbarramos no amor e fomos agraciados. Com o tempo, passamos a cultivá-lo – montar um jardim se tornou indispensável. Aprendemos que flores também florescem nos invernos e enfeitam os cantos da casa. Colecionamos beijos, não retratos. Memórias, não evidências de que estivemos juntos.

op1

Encontro nele mais que amor. Os jarros acumulados em nossas estantes estão abarrotados de sentimentos, dedicação, apoio, respeito e procura. Procuramo-nos diariamente, necessitamos respirar em parcelas suaves, compartilhando as quedas e vitórias que a vida apresenta.

Se estou doente, ele me cura. Se ele fica doente, eu faleço. Seguimos assim, porque deixar de seguir sem ele é perder a razão e o rumo. Já falaram que estou errada por depender tanto assim do amor, e em minha defesa alego: não é do amor que dependo, e sim de quem amo. Somos felizes porque estamos juntos, logo uma separação desmembraria quem somos, porque parte de quem sou veio dele. E a outra parte sente-se feliz por pertencê-lo. Ao todo, somos amor. Não há partidas em nossa história, e estamos bem assim. E se estamos bem, o amor cresce e prevalece.

Não somos figuras livrescas. E quando dizem que parecemos irmãos, somos idênticos, sinto que venci na vida, porque encontrei nele a parte que faltava em mim.

Gostou? Compartilhe!

You Might Also Like

4 Comments

  • Reply Vitória. 4 de Abril de 2014 at 5:31

    OWWWWWWWWWWWWN, mas eu faleci com tanto amor! Que coisa maravilhosa ter um amor tão infinito como o seu. Eu fico extremamente feliz por saber o quanto tu és feliz por isso. Eu desejo toda felicidade do mundo pra vocês. E que venha muito e muito mais amor (principalmente pra te inspirar desse jeito!). Porque pra mim, o amor não é receita pronta. Ele é cultivado todos e todos os dias e nunca é o suficiente. Essa é a graça do amor. Parabéns minha linda.
    “Porque parte de quem sou veio dele.”

    • Faah Bastos
      Reply Faah Bastos 4 de Abril de 2014 at 8:20

      Também acredito que não haja uma receita pronta dando os passos exatos para ser feliz no amor, é mais uma questão de tentativas e disposição para fazer dar certo, e isso nós temos de sobra. Claro, nem sempre foi assim, antes de nos conhecermos eu passei a desconfiar se o amor funcionaria comigo como mostrava funcionar nos livros. Me decepcionei, acumulei jarros de vidros com promessas quebradas, mas ao conhecer Rafael percebi que eu apenas andei pelas estradas erradas, buscando felicidade em quem nem sabia soletrar a palavra.
      Obrigada, minha melhor. Muito obrigada!

  • Reply Gabriela Pereira 24 de Abril de 2014 at 19:30

    Sem palavras para esse texto! Simplesmente belissímo ♥

    • Faah Bastos
      Reply Faah Bastos 25 de Abril de 2014 at 11:18

      Muito obrigada!

    Deixe uma resposta